Please use this identifier to cite or link to this item: http://ridi.ibict.br/handle/123456789/988
metadata.dc.type: Trabalho apresentado em evento
Title: Os limites para a liberdade comunicativa
metadata.dc.creator: Lima, Clovis Montenegro de
metadata.dc.description.resumo: O Colóquio Habermas vem sendo realizado anualmente e tem se constituído em um espaço privilegiado de debate de ideias daqueles que buscam ir além do comunitarismo republicano vulgar e do liberalismo fora de lugar, tendo por principal referência a obra do filosofo alemão Jurgen Habermas. Este autor é não apenas um dos maiores pensadores vivos, mas um grande humanista que intervém na história do seu tempo como mostram seus artigos recentes sobre a crise dos imigrantes na Europa. A partir de 2014 o Colóquio Habermas passou a ter simultaneamente um pequeno Colóquio de Filosofia da Informação, que reúne os interessados nesta área emergente do pensamento interdisciplinar. Este Colóquio buscar responder uma demanda daqueles que estudam Filosofia e Ciência da Informação com diversos focos, particularmente da Epistemologia, da Ética e da Política. Neste caso o Colóquio está aberto a outras abordagens filosóficas. O grande tema orientador dos Colóquios de 2015 foi “Os limites para a liberdade comunicativa?”. Esta questão foi originalmente motivada pelo terror em Paris, mas foi rapidamente atualizada para os brasileiros por uma questão mais próxima do seu cotidiano: a forte campanha feita pelos meios de comunicação contra o governo eleito de modo democrático. Isto torna mais importante diferenciar o conceito de liberdade comunicativa. O ano de 2015 teve como um de seus marcos iniciais a tragédia do assassinato de 12 jornalistas do Charlie Hebdo. Várias pessoas em muitos quadrantes do mundo se uniram em defesa da liberdade de expressão, ainda que em muitos casos com a consciência crítica da necessidade de uma ética na construção de tal liberdade, sem espaço para a disseminação de ódios ou intolerâncias. Liberdade comunicativa não é liberdade de expressão. Não se trata da capacidade de poder usar o discurso, mas da capacidade deliberativa diante do discurso, de poder dizer sim ou não, na interação discursiva intersubjetiva que ergue pretensões de validade. Como chama atenção Siebeneichler (2014), a liberdade comunicativa está imbrincada em nossa capacidade de autoria responsável, sendo fundamental para a radicalização da democracia. A liberdade comunicativa não é uma condição metafísica, senão uma atitude do falante diante das circunstâncias, sendo ele mesmo, o falante, em relação a outro(s) falante(s) quem delibera sobre a razoabilidade das pretensões de validade erguidas em determinado discurso.
Abstract: xxx
Keywords: Habermas
colóquios
filosofia da informação
Limites
Liberdade comunicativa
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::CIENCIA DA INFORMACAO
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Insitituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia
metadata.dc.publisher.initials: IBICT
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://ridi.ibict.br/handle/123456789/988
Issue Date: Sep-2015
Appears in Collections:Trabalhos apresentados em Congresso no Brasil

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
anais-xi-coloquio-2015.pdf4,71 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons