Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ridi.ibict.br/handle/123456789/498
Tipo: Trabalho apresentado em evento
Título: Filosofia da linguagem e organização do conhecimento nos anos 1930: a pragmática em Wittgenstein e em Ranganathan.
Autor(es): Saldanha, Gustavo Silva
Abstract: Reconhecida a relevância dos estudos filosóficos para a organização do conhecimento, propomos um estudo histórico-epistemológico focado na década de 1930. A principal questão abordada se refere ao desenvolvimento de um pensamento orientado para a pragmática da linguagem no cenário filosófico no período. Este pensamento toma a linguagem ordinária como elemento fundador do sentido. A ideia de uso é reconhecida como estrutural e apenas através dela se pode conceber a significação. Em focos distintos, o filósofo austríaco Ludwig Wittgenstein e o filósofo indiano Shiyali Ramamrita Ranganathan discutem o desenvolvimento epistemológico segundo os pressupostos de uma pragmática da linguagem. O pensamento dos autores aborda a produção de sentido a partir do uso. A pragmática ranganthaniana possibilita o afastamento da noção ocidental-moderna de “conhecimento”. A partir da filosofia da linguagem presente no filósofo indiano podemos pensar em “saberes”, tomando a prática de organização no âmbito informacional como responsável por uma noção plural de epistemologia. Este posicionamento aproxima Ranganathan do pensamento wittgensteiniano. O objetivo central deste trabalho é propor análise do diálogo entre as visões de Ranganathan e Wittgenstein no âmbito da construção das possibilidades do conhecer a partir do uso da linguagem no âmbito dos anos 1930. Como objetivos específicos, procuramos definir a pragmática como orientação comum da construção do conhecimento dos anos 1930; reconhecer a filosofia da linguagem em Ranganathan; discutir as condições de transformação da organização do conhecimento provocadas pela filosofia pragmática do filósofo indiano. O método adotado é a “apresentação panorâmica” de Wittgenstein, pautada na análise de conceitos que concebem a construção de uma gramática dentro de uma comunidade de uso da linguagem. A partir da “apresentação panorâmica” podemos identificar os pressupostos que levam à efetiva comunicação entre indivíduos de um mesmo grupo, incluindo uma comunidade científica. Como principais resultados, chamamos a atenção para os potenciais de correlação entre o desenvolvimento da filosofia da linguagem na década de 1930 e a construção de uma epistemologia para a organização do conhecimento, a reconstrução da própria noção de “conhecimento” no campo de estudos da informação, iniciada em Ranganathan, e as possibilidades de ressignificar a prática da organização do conhecimento através do ponto de vista da pragmática. Como conclusões destacamos a necessidade de revisão filosófica da organização do conhecimento, o reconhecimento da construção da pragmática ao longo do século XX como pressuposto teórico para a organização do conhecimento e a compreensão de uma noção de conhecimento pautada também na noção de uso segundo o ponto de vista pragmático da linguagem.
Palavras-chave: Organização do Conhecimento
Filosofia da Linguagem
Pragmática
Editor: ISKO
Citação: Saldanha, Gustavo.Filosofia da linguagem e organização do conhecimento nos anos 1930: a pragmática em Wittgenstein e em Ranganathan. In: CONGRESSO ISKO ESPANHA E PORTUGAL, 1., 2013, Porto. Anais... Porto: ISKO, 2013. p.125-135.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/123456789/498
Data do documento: 2013
Aparece nas coleções:Trabalhos apresentados em Congresso no Exterior

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Saldanha.htm16,37 kBHTMLVisualizar/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.